Casas de Aldeia, um Bom Negócio

Ao falar-se de imobiliário, existe a tendência para se pensar em cidades e arredores ou em grandes vivendas nos locais mais apetecíveis. No entanto, existe um mercado ainda pouco explorado, que tem tudo para fazer sucesso. Aliás, sucesso já ele faz, mas, por alguma razão, não se ouve falar dele. Será que é por ser tão bom negócio que quem nele participa o mantém como segredo bem guardado?…

AlgarveSe visitar o Algarve nos meses de inverno, não encontrará os hotéis vazios. Sim, a ocupação não será como no verão, mas estão longe de vazios. E não são só os hotéis, mas existem muitas casas de férias cheias, e não é de portugueses.

Devido à qualidade de vida, baixos preços e clima ameno, Portugal é um destino de eleição para os cidadãos de paragens mais setentrionais, como o Reino Unido ou a Holanda, e a imprensa internacional está repleta de artigos sobre a vida em Portugal.

Com o poder de compra bastante superior, muitos dos cidadãos destes países escolhem a opção de adquirir um imóvel em Portugal para passar os meses de inverno, escuros e frios nos seus países. E não é só no Algarve: uma visita às aldeias da Serra da Lousã revela uma população surpreendentemente multinacional.

É por isso que o mercado imobiliário destas áreas é um bom negócio. Existem casas, por vezes aldeias inteiras, à venda, por preços irrisórios. É simples, relativamente barato e bastante rápido transformar uma casa de aldeia em estado de abandono numa casa de férias para um cidadão do Norte da Europa, à procura de uns meses amenos longe da neve e da chuva. É essencial criar bons contactos nos principais mercados, para melhor divulgar a propriedade, mas hoje em dia a Internet facilita essa tarefa.

Um outro ponto positivo é que se está a trazer a vida de volta às aldeias portuguesas e trabalho para a população local.